Cinema, pipoca, e …. estilo!

Sabe quando você sai do cinema e, por mais que tenha gostado do filme, só consegue pensar em um dos vestidos mostrados na telona? Não importa se o modelito inspirou, fez lembrar de uma peça esquecida no closet, deu vontade de copiar na íntegra ou, apenas, criou um desejo distante, o fato é que looks icônicos são eternos. Quem é que não ficou de olho……..

howtolose

……no vestido amarelo de “Como Perder um Homem em Dez Dias”? Kate Hudson dá uma voltinha para Matthew McConaughey, arremata a peça com um diamante gigantesco, bebe todas, dá vexame na festa e… o que fica na mente é o decote mais do que perfeito das costas do modelito!

andysachs

….nas botas Chanel de “O Diabo Veste Prada”? Andy (Anne Hathaway) Sachs ressurge em versão repaginada na redação da Runway e deixa todo mundo sem palavras. Todo mundo mesmo, até Gisele Bündchen!

13going30

….na camisola de “De Repente, 30”? Aos 13 anos, a personagem de Jennifer Garner tem um desejo relâmpago de acordar com 30 (tolinha, tolinha!). O pedido é atendido e, no susto, ela sai pra trabalhar com a mesma peça de cetim com renda que usou para dormir. Já chamava a atenção bem antes da moda atual, que leva – com muita classe – as roupas de dormir para as ruas!

pretty-woman-movie-01

…… nas jóias dos sonhos de “Uma Linda Mulher”? Talvez por culpa do look vermelho “vou à ópera”, Julia Roberts foi alçada ao posto de estrela máxima de Hollywood depois deste filme. Alguém ousaria resistir ao incrível colar gentilmente colocado por Richard Gere?

Published in: on dezembro 26, 2008 at 5:30 pm  Deixe um comentário  

A bolsa ou a vida

 “A moda é um luxo, não é uma necessidade, ela deve fazer sonhar”, afirmou o estilista Marc Jacobs ao jornal francês “Le Monde”, na Semana de Moda de Paris. Foi uma grande rabissaca a quem lhe perguntava sobre a crise mundial que dominava – e ainda domina – as machetes. Só que, por mais que a indústria da moda faça de conta que não é com ela, não é beeeem assim, não. Tirando os ermitãos que vivem de luz, todo o resto do mundo é afetado quando uma crise nessas dimensões nasce e cresce bem no meio do coração capitalista: os bancos.

Paris - Louis Vuitton Spring 09, by Marc Jacobs

Paris – Louis Vuitton Spring 09, by Marc Jacobs

Não é a primeira crise econômica por que o mundo passa. Pode-se dizer que a Grande Depressão de 1929 foi maior (afinal o que são 13 bancos quebrados, diante de mais de 1.500? Isso só nos EUA), mas veja o quanto o mundo mudou em quase 80 anos! Um banco quebra aqui, ferra uma empresa do outro lado do oceano – ou até um país inteiro, veja o caso da Islândia. E desta vez diversas gigantes da moda serão atingidas frontalmente. No século XXI, uma empresa familiar fechadinha virou coisa do passado. O planeta fashion é dos super-conglomerados, como LVMH (Louis Vuitton, Fendi e Moët & Chandon, entre outras) e PPR (que controla o grupo Gucci), por exemplo. E eles se capitalizam onde mesmo? No mercado de ações!

Na bolsa de valores de Paris, é possível adquirir ações da Hermès ou Dior. Em Milão, temos Valentino e Hugo Boss, do grupo Parmira. Nos EUA, Ralph Lauren. Agora, pense: as estimativas apontam que o mercado acionário global (a soma de todas as bolsas do mundo) já perdeu mais de US$ 15 trilhões com a crise. É MUITO dinheiro, é como se toda a economia do Brasil tivesse evaporado umas oito vezes (o PIB nacional é de US$ 1,9 trilhão). Se eu fosse acionista de qualquer empresa, de moda ou não, de luxo ou não, certamente estaria surtando uma hora dessas. Óbvio que quanto mais forte é uma marca, menos suscetível ela fica à volatilidade do mercado. Mas ninguém passa incólume pela ciranda financeira. Duvida? Olha o gráfico da LVMH:

J'Adore, um dos perfumes mais vendidos no mundo

J’Adore, um dos mais vendidos no mundo

Na França, a indústria da moda só perde para o turismo na geração de divisas para a economia. É uma força gigantesca! Diante de tal cenário, analistas de mercado já apontam que as grifes terão que investir ainda mais em um caminho no qual já vinham seguindo: uma clientela maior e menos seleta. Claro que sempre existirão ricos no mundo, mas nos últimos anos o mercado de luxo vem sendo alimentado por uma classe média que faz malabarismos com o orçamento, mas sabe o que é bom. Gente que não pode se atrever num vestido de alta costura Dior by Galliano, mas que compra um frasco de J’Adore ou expreme no cartão de crédito um óculos, uma bolsa, um chaveirinho…

Ok, falar em recessão é exagero, mas que o ritmo deve cair, isso deve. Depois de crescer 13% em 2007, o segmento de luxo espera uma expansão mundial de no máximo 8% neste ano, segundo a Eurostaf, consultoria do grupo que edita o jornal econômico francês “Les Echos”. Com seus tradicionais mercados (Europa, EUA, Japão) em declínio, especialistas ouvidos pelo jornal apontam que o movimento dessas empresas deve ser nos países emergentes, com economias em expansão, que não estão tão ligados ao epicentro da crise e com um consumo interno aquecido.

Loja da Tiffany em SP

São países como Brasil, Rússia, Índia e China, que não por acaso formam no “economês” a sigla BRIC e que responderam por 26% das vendas da Louis Vuitton em 2007. E aí o nosso país tem pontos positivos e negativos: por um lado, o mercado de luxo cresceu 35% entre 2000 e 2006 e já temos Tiffany, Chanel, Dior, Burberry… por outro, o público consumidor se concentra em SP (principalmente) e Rio. Sem falar na violência…

A Prada, que tinha anunciado a intenção de abrir seu capital em 2008, não é boba nem nada: está tudo suspenso até o mercado se acalmar.

E lembra do tal “Gisele Bundchen Stock Index”, que subia alucinadamente, que passava a Dow Jones e tal? Pois é, despencou. Nem Gisele segurou a crise.

* Não tem jeito. Depois de anos no batente, por mais que eu me esforce pra não falar de bolsas e crises e tais, a repórter de economia acaba gritando!

Published in: on dezembro 25, 2008 at 11:21 am  Deixe um comentário  

A festa de Samuel Cirnansck

Com a missão de deixar a mulher mais feminina, o estilista cria vestidos que parecem obras de arte…

Ele já ajudou a compor figurinos de óperas e iniciou sua carreira criando camisetas, há 15 anos. Já nessa época, Samuel demonstrava vocação para a alta-costura ao aplicar bordados e detalhes elaborados nessas peças básicas. “Só isso não me satisfazia. Queria mais exuberância”, lembra. Em 1999, criou sua marca e descobriu o talento para vestidos. Logo passou a extravasar a criatividade em coleções para o Amni Hot Spot, evento destinado aos novos criadores e sua porta de entrada para o São Paulo Fashion Week, onde desfila desde 2005. Entre decotes, volumes e trabalho artesanal, ele encontrou a fórmula para deixar a mulher deslumbrante. Não é por acaso que se tornou um dos estilistas mais desejados quando o assunto é festa. Há três anos, passou a vender suas peças apenas sob encomenda no ateliê, em São Paulo. Ele recebe clientes que buscam modelos quase sempre para casamentos. Tudo é feito do jeito tradicional. Elas chegam, conversam cerca de uma hora com o estilista e encaram uma sessão para tirar as medidas. “O estilo de cada uma é levado em conta, mas todas sabem que sairão daqui com um vestido superfeminino, que valorize o corpo” afirma Samuel. Ele lembra que o trabalho à moda antiga está mais atual do que nunca. “Existe público que procura exclusividade e está aberto a propostas que fogem do convencional”, diz.

Depois de sair do croqui, o vestido ganha formas no busto de provas, com a técnica de moulage. Samuel chega a trabalhar dois meses em uma peça até que fique perfeita.

VERÃO 2008/2009


Em suas coleções, as cores escuras sempre tiveram força, mas, nesta temporada, o estilista apostou alto no bege. “A cartela está doce, pois a moda pede romantismo”, diz. Sua referência foi o pintor francês Jean-Marc Nattier, que retratava as mulheres do século 18 do jeito mais bonito possível. Corpetes justos, tecidos nobres e bordados delicados aparecem em vestidos longos e curtos, usáveis em grandes festas, inclusive por noivas, uma de suas especialidades.

TECIDOS E ACABAMENTOS


Os detalhes são fundamentais em suas criações, pois fazem com que as peças se tornem únicas. “Gosto de trabalhar aos poucos, como se estivesse pintando uma tela. Chego a demorar dez dias em um acabamento”, lembra Samuel. Seda, georgette, xantungue e veludo são os tecidos mais utilizados. Ele também sabe como ninguém misturar a delicadeza com a transgressão, como rendas e transparências aliadas a barras puídas e peças de metal.

Outras coleções nas passarelas


Silhueta marcada, pregas, bordados e peças superbem modeladas sempre estiveram presentes nas coleções de Samuel, que conquista cada vez mais anônimas e famosas. Atualmente, veste atrizes como Paola Oliveira, Deborah Bloch e finaliza o vestido de noiva de Juliana Paes.

 

Onde encontrar 
Rua João Moura, 287, São Paulo, SP – Tel. (11) 3891-1733

Published in: on dezembro 24, 2008 at 8:00 pm  Comments (1)  

Um verão de muitas estampas para contar….e vestir..

A combinação de vários tipos de desenhos em um só look dá novo astral à produção e cria diferentes estilos. Aprenda a fazer o mix entre roupas e acessórios sem medo de errar…

587_estampas_01

DESENHOS DELICADOS + FOLHAGENS• Além das estampas, você também pode misturar estilos, como o vestido romântico com a bolsa tropical. Para dar certo, a cor do acessório deve aparecer
na roupa.

 

• Os desenhos na saia dão volume aos quadris. E para deixar a silhueta alongada, arremate com saltos altos.

 

 

 

 

 ÉTNICOS + NEUTROS
587_estampas_021
• Por exibir cores e desenhos diferentes na própria estampa, o colete pede complementos mais sóbrios, como a regata de bolas verdes e a bermuda bege.

• Chamativo, use o étnico na região do corpo que prefere destacar. Na parte de cima, desvia a atenção dos quadris.

 

 

 

 

587_estampas_031BOLAS + LISTRAS• O lenço e o vestido multicoloridos se harmonizam por terem pelo menos três cores em comum. O decote tomara-que- caia revela a pele, o que dá leveza ao look total estampado.

 

• As listras horizontais aumentam o corpo, mas
a modelagem solta é aliada na hora de
camuflar pneuzinhos.

 

 

 

 

TIE-DYE + BICHOS
587_estampas_04
• Com aspecto lavado, o degradê deste tie-dye fica bem com várias estampas. “Os bichos, como os papagaios, são muito marcantes. Ao misturá-los, evite outro motivo muito forte.

• Em viscoelastano, a bermuda saruel não faz
muito volume.

 

 

 

 

587_estampas_05LISTRAS + ABSTRATOS• Um bom jeito de colocar três motivos diferentes em harmonia é escolher peças com poucas cores, como as bicolores, com pelo menos um tom em comum. Neste look, o branco aparece em detalhes no visual inteiro.

 

• Os desenhos da saia são fáceis de usar, pois, além de preto e branco, as linhas são finas.

 

 

 

 

FLORES + GEOMÉTRICOS587_estampas_06• O segredo é equilibrar o tamanho das figuras.
As maiores compõem detalhes e as miúdas, a
peça principal.

 

• Opte pelo acessório liso para quebrar o visual.
Ele pode ser do mesmo tom de algum dos desenhos
do look.

 

 

 

587_estampas_071LOCALIZADAS + LISTRAS• Com as faixas grossas e coloridas, o outro desenho pode ser apenas um detalhe na roupa. Outra dica é todas as cores pertencerem à mesma família, como neste look.

 

• Essa regra se aplica à bolsa. O verde das folhas aparece também na blusa, assim como o fundo claro.

 

 

 

 

Sunset

Published in: on dezembro 24, 2008 at 7:48 pm  Deixe um comentário  

Hollywood e seus figurinos marcantes

O poder de sedução do cinema é tão grande que algumas roupas saem das telas e se tornam ícones de moda. Use os moldes para fazer as peças mais desejadas dos filmes …

A relação entre moda e cinema é antiga. Na década de 1930, Chanel ganhou 1 milhão de dólares para criar o figurino de três filmes dos estúdios MGM. No ano seguinte, Hollywood produziu o primeiro hit da moda: um vestido de organza branco, com ombros largos e cintura estreita, criado pelo figurinista Adrian para a atriz Joan Crawford em Redimida. Na época, a loja de departamentos americana Macy’s vendeu 50 mil cópias do modelo. Outro grande sucesso foi o guarda-roupa sensual de Gilda, de 1946. No período pós-guerra, se vestir como a personagem-título era tudo o que as mulheres desejavam.

Para ultrapassar as telas de cinema e se tornar parte da história, as roupas reúnem uma série de elementos atemporais. “São, em geral, vestidos justos, longos e de tecidos nobres, usados com belas jóias e cabelos presos. Valorizam o ombro e são elegantes e sem excessos”, afirma a jornalista Alexandra Farah, especialista em figurinos de cinema. O look mais famoso até hoje é o pretinho que Audrey Hepburn usou em Bonequinha de Luxo, de 1961. “Criado pelo francês Hubert de Givenchy, ele foi um marco dessa década e continua atual. Impulsionou o glamour minimalista, sóbrio e sexy ao mesmo tempo”, completa. Hoje os maiores sucessos são os vestidos de festa, que, como num conto de fadas, transformam a mocinha em uma mulher maravilhosa, como Jennifer Lopez em Encontro de Amor, de 2002.


Audrey Hepburn em Sabrina, de 1954, com o vestido de baile criado por Givenchy.

O vestido de Chanel em Esta Noite ou Nunca, de 1931, foi considerado simples demais para os padrões hollywoodianos.
   

Em 1990, o vestido vermelho de Uma Linda Mulher transformou Julia Roberts numa Cinderela do século 20.

Saias volumosas e acinturadas para uma corista de boate interpretada por Maria della Costa, criados pelo estilista Dener Pamplona

Brasil em cena

O cinema brasileiro não chegou a ditar moda, mas alguns estilistas tiveram seus momentos na telona. O primeiro filme nacional com figurino assinado foi Moral em Concordata, de 1959. Nele, o estilista Dener Pamplona criou saias volumosas e acinturadas para uma corista de boate interpretada por Maria della Costa. Zuzu Angel, que já virou tema de filme, teve seus dias de figurinista em O Quarto, de 1968, do diretor Rubem Biáfora. Em 1996, o estilista Ocimar Versolato fazia parte do seleto grupo da alta-costura quando aceitou vestir Tieta, personagem de Sônia Braga no filme homônimo dirigido por Cacá Diegues.

Published in: on dezembro 24, 2008 at 7:30 pm  Deixe um comentário  

Vestido linha “A”

A peça retorna pronta para ser combinada com hits, como a meia opaca, a calça skinny e a legging. O padrão xadrez garante o visual jovem e as cores sóbrias vão ao trabalho. De alças, como uma salopete, pode ser usada sobre camisas e camisetas justas. No frio, vai com um trench coat. Saltos baixos e sapatilhas são boas opções para os pés. Se a idéia é ficar moderna, aposte nas ankle boots e nas botas de cano alto.

570_linhaa_01570_linhaa_02570_linhaa_03

Published in: on dezembro 24, 2008 at 7:27 pm  Deixe um comentário  

Saia-lápis

 Sapatos de saltos altos são perfeitos para deixar o visual ainda mais elegante e feminino (Maria Flor)
• A versão atual do modelo aparece nas passarelas em comprimento um pouco acima dos joelhos (Tessuti)
• Malhas ou outros tecidos com elastano dispensam a tradicional fenda na parte de trás da saia (Samuel Cirnansck)

574_saialapis_02574_saialapis_01574_saialapis_03

História

Elas surgiram em meados dos anos 1950 e logo se tornaram um clássico do guarda-roupa feminino. Sensuais, discretas e, acima de tudo, elegantes, as saias lápis são freqüentemente associadas a mulheres poderosas. Parte dessa fama se deve ao cinema francês da época, com suas heroínas bem-vestidas, geralmente adeptas do modelo. No Brasil, a peça foi amplamente adotada na década de 1960, complementada com escarpins e twin-sets. Durante a última São Paulo Fashion Week, apareceu em versões ousadas, combinada com tops curtos.

Published in: on dezembro 24, 2008 at 7:23 pm  Deixe um comentário  

The Simpsons.

A família de Springfield protagoniza um novo longa-metragem, “Simpsons, o filme“, que logo deve estrear no Brasil. Enquanto isso, eles caem nas graças do mundo da moda. As imagens fazem parte de um editorial de alta costura da revista Harper’s Bazaar do mês de agosto.

a

b

c

de

Published in: on dezembro 24, 2008 at 12:43 pm  Deixe um comentário  

Lily Sarti

O lookbook de Verão com Júlia Petit e Heleninha Bordon…

lillysartilookbookverao20094

lillysartilookbookverao20092

lillysartilookbookverao20093

lilly-sarti

imagem1

13

2

32

 

….. alguns looks de inverno……

43

5

62

72

 

A marca pertence a duas irmãs: Renata e Lilly. Enquanto a primeira cuida da administração a outra cuida das criações. Elas criaram a marca juntas pois procuram por um tipo de roupa diferente, que não estavam encontrando no mercado e fizeram um desfile em casa para suas amigas e as respectivas mães. Donata Meirelles estava presente e comprou toda a primeira coleção para a D….

Published in: on dezembro 24, 2008 at 11:39 am  Deixe um comentário  

Must Have

manolo

Scarpin Manolo… p-e-r-f-e-i-t-o!!

Published in: on dezembro 24, 2008 at 11:32 am  Deixe um comentário  
Tags: